Modelos de veículos influenciam na venda? Descubra neste post!

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Existem muitos fatores que influenciam no valor de venda de um carro. São desde critérios básicos, como ano de fabricação e modelo, até questões ligadas aos cuidados que foram tomados com o automóvel visando sua conservação.

Por isso, quem busca uma negociação vantajosa deve entender quais são esses quesitos e como cada um deles pode interferir no preço final.

Entre os parâmetros utilizados para a precificação dos produtos, temos os modelos de veículos como um dos mais relevantes. Mas você sabe por que isso interfere tanto na hora da negociação?

Se quiser entender de vez, continue conosco neste post que preparamos!

Critérios que interferem no valor de venda

Conservação

O estado de conservação de um carro é um fator que pesa na hora da venda. Veículos bem-cuidados e com aspecto de novo certamente serão vendidos por um valor mais alto. Já um que apresente, por exemplo, riscos na lataria e rasgos no estofamento, valerá menos.

Além da questão estética, é imprescindível observar as condições mecânicas. Por isso, sempre verifique se o carro passou pelas revisões de rotina. Se esse cuidado tiver sido tomado, já é possível ter segurança com relação ao estado atual do veículo e também quanto à sua vida útil dali em diante.

Cor

A cor é outro fator determinante para a venda de veículos no Brasil. O consumidor já tem uma preferência natural por cores neutras, como o branco, o preto e o clássico prata. Por isso, essas tonalidades tendem a facilitar a venda.

Claro que essa não é uma regra imutável. Dependendo do modelo, cores como o azul e o verde são as mais buscadas. E há também a tendência de modelos com cores diferenciadas e tetos coloridos, na qual fabricantes vêm apostando.

Existe mercado para tudo, é fato. Mas, de forma geral, um veículo com cor forte e chamativa não terá tanto mercado, portanto o tom discreto continua sendo a opção segura para evitar a desvalorização.

Itens de série

O brasileiro vem refinando seu gosto no que se refere a recursos voltados ao conforto e à segurança em um carro. Hoje em dia, ter vidro elétrico, direção hidráulica e ar-condicionado já é considerado um pacote essencial, pelo qual as pessoas topam pagar um pouco mais.

Assim, os modelos muito básicos já não são os preferidos do consumidor comum. Em geral, eles estão sendo absorvidos para compor frotas empresariais, razão pela qual o veículo equipado com mais itens de série é valorizado no mercado.

Modificações

Um carro que passa por diversas modificações (como personalização de rodas, instalação de teto solar ou blindagem) pode ficar ideal para seu proprietário, porém costuma perder valor na hora da venda.

Isso acontece porque, uma vez que o carro foi alterado, já se pressupõe um custo alto com manutenção, além da dificuldade de reposição de peças caso necessário.

Tradicionalmente, o comprador prefere um veículo que esteja o mais próximo possível do original de fábrica.

Portanto, saiba que um carro modificado nem sempre terá o investimento compensado quando voltar ao mercado — ainda que as alterações tenham otimizado o conjunto de acessórios.

Modelo

Não poderíamos deixar de falar sobre modelos de veículos, que é um dos critérios mais importantes na definição do preço para a venda. Modelos com boa receptividade, que vemos aos montes nas ruas, costumam manter um bom preço de revenda, bem perto ou até acima do indicado pela Tabela Fipe.

Já automóveis de fabricantes estrangeiras, ou os que tiveram pouca saída, caem rapidamente na escala de preços e apresentam uma desvalorização acentuada. Também costumam ficar mais tempo empacados no pátio.

Mas há outros aspectos a serem considerados dentro desse critério, que vamos detalhar abaixo.

Por que e como o modelo influencia no valor do veículo

Além da questão da popularidade do veículo, que traz reflexos sobre a facilidade de vendê-lo, há detalhes relevantes ligados aos modelos disponíveis, que também têm efeitos sobre o valor empregado na negociação.

Você sabia, por exemplo, que o que vale para determinar o preço do carro é o ano/modelo e não o ano/fabricação? Exatamente por isso, o CONTRAN passou a exigir que, no Certificado de Propriedade, conste não só o ano/fabricação, como também o ano/modelo do automóvel.

Isso ocorre porque é no ano/modelo que são embutidas todas as reestilizações e novidades em termos de acessórios e acabamento. Já o ano de fabricação é mais uma referência tributária, que serve como base para o cálculo do IPVA.

É preciso ficar atento a essa questão e entender o benefício que ela traz. Como as fabricantes costumam lançar modelos do ano seguinte antecipadamente, abre-se aí uma excelente oportunidade de conseguir bons preços. 

Por exemplo: adquirindo em outubro de 2018 um carro fabricado em 2017, porém com ano modelo já de 2018, o preço já será mais razoável. E nem por isso você terá uma versão defasada!

A diferença média no valor do produto de um ano para outro é de 15% para seminovos, 10% para carros com mais de dez anos e 5% para automóveis antigos. 

Os mais vendidos

Conseguiu entender como os modelos de veículos influenciam na hora da venda? Então confira abaixo a relação dos carros mais vendidos no primeiro semestre de 2018, divulgada em julho na página Auto Esporte, do G1

Veículo de entrada

  1. Ford Ka: 48.262
  2. Volkswagen Gol: 35.512
  3. Renault Kwid: 29.678
  4. Fiat Mobi: 24.997
  5. Toyota Etios: 19.509

Hatch pequeno

  1. Chevrolet Onix: 89.620
  2. Hyundai HB20: 50.419
  3. Volkswagen Polo: 34.138
  4. Fiat Argo: 27.983
  5. Renault Sandero: 25.093

Hatch médio

  1. Chevrolet Cruze: 2.834
  2. Volkswagen Golf: 1.721
  3. Ford Focus: 1.615
  4. Volvo V40: 282
  5. Peugeot 308: 266

Sedã pequeno

  1. Chevrolet Prisma: 32.015
  2. Ford Ka Sedan: 16.937
  3. Hyundai HB20S: 15.446
  4. Volkswagen Voyage: 15.282
  5. Toyota Etios Sedan: 14.927

Sedã compacto

  1. Volkswagen Virtus: 16.937
  2. Chevrolet Cobalt: 8.309
  3. Honda City: 6.335
  4. Ford New Fiesta: 1.138
  5. Lifan 530; 275

Sedã médio

  1. Toyota Corolla: 28.554
  2. Honda Civic: 13.142
  3. Chevrolet Cruze: 9.705
  4. Ford Focus: 2.382
  5. Volkswagen Jetta: 2.279

Sedã grande

  1. BMW Série 3 320: 1.507
  2. Volkswagen Passat: 717
  3. Mercedes-Benz CLA 180: 701
  4. Audi A4: 529
  5. Mercedes-Benz Classe C: 472

SUV

  1. Jeep Compass: 28.194
  2. Honda HR-V: 23.149
  3. Nissan Kicks: 21.837
  4. Jeep Renegade: 21.430
  5. Hyundai Creta: 20.152

Pickups

  1. Fiat Strada: 35.505
  2. Fiat Toro: 26.062
  3. Volkswagen Saveiro: 22.189
  4. Toyota Hilux: 17.442
  5. Chevrolet S10: 15.486

Furgões

  1. Fiat Fiorino: 5.608
  2. Renault Master: 3.344
  3. Hyundai HR: 2.594
  4. Iveco Daily: 1.023
  5. Kia K2500: 923

SW

  1. Volkswagen SpaceFox: 2.511
  2. Fiat Weekend: 1.283
  3. Volkswagen Golf Variant: 324
  4. Audi A4 Avant: 120
  5. Volvo V60: 35

Monocab

  1. Honda Fit: 13.832
  2. Fiat Doblo: 2.346
  3. Toyota Yaris Hatch: 214
  4. Mercedes-Benz Classe A 200: 107
  5. Mercedes-Benz Classe B: 102

Grandcab

  1. Chevrolet Spin: 9.817
  2. Citröen C4 Picasso: 224
  3. Kia Carnival: 148
  4. Chrysler Pacifica: 2

Esportivos

  1. Ford Mustang: 627
  2. Porsche 911: 86
  3. Audi TT: 78
  4. Porsche Boxster: 64
  5. ASA Cauype: 63

Como tentamos apresentar neste texto, os modelos de veículos, aliados a outros fatores, exercem uma grande influência sobre o valor que o produto terá na hora da venda. Por isso, tanto quem compra quanto quem vende precisa ter conhecimento dessas questões, para conseguir sempre um bom negócio, com condições vantajosas.

Quer conhecer mais um fator que tem influência sobre o desempenho e até mesmo sobre o valor que um carro terá? Então leia o nosso artigo sobre tipos de combustível!

Compartilhar

About Author

Compartilhe sua opinião com a gente, através dos comentários.

Share This